quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Leite é Amor!

Este é meu primeiro post como blogagem coletiva e confesso que estou um pouco envergonhada.
O objetivo é falar de aleitamento e leite mesmo.

Como já contei algumas vezes amamentei a Anita exclusivamento no peito até os 6 meses e posso dizer que não foi fácil mas a sensação única de alimentar e tudo mais que envolveu a alimentação compensou cada segundo e cada centavo.

Não vou listar aqui os benefícios da amamentação mas que é mais barato que a lata de leite, que faz a gente perder peso, fortelece o vínculo mãe-bebê isso é bem verdade.

Meu parto foi uma cesárea antecipada, a Ninoca nasceu com 36 semanas de gestação e acho que meu leite demorou um pouco para entender este processo todo, na maternidade não sei bem o que acontece e eu toda atordoada com tantas informações ao mesmo tempo nem me liguei nos intervalos das mamadas.

Resultado da primeira noite em casa foi uma crise de choro tamanha que nos fez voltar ao hospital para ouvir do "fofo"pediatra do plantão que o problema do bebê era fome. Uma enfermeira me ajudou a amamentar a voltamos para casa. Mas não acabou aqui.

Demoramos mais de um mês para nos acertar, a Anita entender como mama, ganhar força para sugar e eu encontrar um médico que me desse uma medicação que favorecesse o aleitamento.

Questões resolvidas e a paixão pela amamentação só cresceu, não nego que haviam dias em que eu me sentia literalmente sugada, esvaziada de energia, minha espressão abatida era inegável mas eu estava feliz!

Meus tops explodiam tamanho o meu seio mas não tinha leite para dar e dar (jamais venderia) o que de certa forma foi uma frustração. Adotei uma moda que confesso ainda não ter abandonado, ainda uso aquelas regatinhas de lycra por baixo da camiseta na mesma cor da roupa. Meu uniforme era branco, preto e cinza.

Entrei na onda da amamentação de cabeça e com apoio da família amamentava em qualquer lugar mesmo, nunca cobri o rosto da Anita afinal não gostaria de comer um hamburguer com um pano na minha cara! Apenas cobria o meu seio em respeito ao meu marido.

Algumas vezes amamentar em público nos fez ser a atração local, principalmente com crianças o que me fez pensar como elas haviam sido amamentadas por suas reações tão diferentes. Também observei que as pessoas que mais olhavam, comentavam e talvez julgavam eras as mulheres. Nunca flagrei nenhum homem me encarando enquanto amamentava.... Mais um ponto a se pensar...

Assim foram um pouco mais de 6 felizes meses, pouco para algo tão intenso e que não volta mais. Não tenho saudades das dentadas, contei que os primeiros dentes da Anita apareceram com apenas 4 meses? Mas essa parte deixa pra lá.

Tive o privilégio de ter um marido que me apoiou na decisão de prolongar a amamentação e (não sei se sorte ou azar) uma certa dificuldade de me recolocar no mercado de trabalho o que me permitiu estender este tempo o quanto o meu corpo permitiu. Parei de amamentar quando o meu corpo parou de produzir leite.

Nesse meio tempo descobrimos o refluxo da Ninoca e a possível intolerância a lactose o que me fez passar longe do leite por um bom tempo.

Mas o cuidado de mãe com o leite não acabou quando parei de amamentar, testamos varias marcas até acertar um leite especial o Neocate que não tenho condições de comprar, assim todo mês vou a um posto retirar o leite fornecido pelo governo.

A Ninoca hoje já come tudo, mas a hora da mamadeira ainda é especial. Um momento de colo e carinho normalmente seguido da soneca.

Acho que a amamentação é mais que um simples ato de amor ou alimentação. É o primeiro e como tal tem sua importância mais que dobrada, vai servir de exemplo para todas as futuras experiências dela e até onde sei a gente come e ama todo dia.



"Esse post faz parte da Blogagem Coletiva com objetivo de incentivar a doação de leite materno aos Bancos de Leite. Saiba mais informações de como doar clicando no selinho!"www.mildicasdemae.com.br

5 comentários:

  1. Oi! Vi o seu blog lá no Mil Dicas de Mãe e o que me chamou atenção nem foi o tema do post, mas sim o título do blog. Minha filha também se chama Anita e eu quis conhecer sua chará. Gostei daqui e fiquei. Parabéns pelo blog e pela filhota! um beijo!

    babsbela.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu post. O meu post está no meu blog http://matheusmeucoracao.blogspot.com.br/2012/08/leite-e-amor.html

    ResponderExcluir
  3. Linda iniciativa Tati!!!
    Tomara que muitas mamães doem leite...
    Bjs!!
    Tia Carol :)

    ResponderExcluir
  4. Maria Angela Rolim Creimer13 de agosto de 2012 12:59

    Tati, esta tudo muito lindo. Dividir e compartilhar vivencias... Estou adorando seu blog. Bjs nesse seu coração carregado de amor.M.Angela

    ResponderExcluir
  5. Oi Tati! O começo é difícil, mas quando acertamos a coisa vai longe, não é? Gostei do seu post e do nome da sua filha! Beijo, Gisa Hangai / www.maebacana.com.br

    ResponderExcluir